Mensagem de um Ex-eleitor ao Ex-Prefeito Sandro Matos.

“Com todo respeito aos amigos, candidatos pesou imensamente a vossa administração ter deixado vários meses atrasados, dos funcionários e aposentados; aqui em Meriti. Era só isso que se ouvia pelas ruas.

Votamos no amigo por duas vezes. Lembro do locutor dizendo na vossa primeira campanha pra prefeito: "agarra ele, beija ele". O amigo lembra-se disso? Um fenômeno de popularidade naqueles dias. Com certeza teve suas realizações e não é verdade que Sandro Matos foi o pior prefeito de Meriti, mas cometeu o mesmo erro daquele que é considerado o melhor prefeito da Cidade: eleito, trancou-se em seu gabinete e esqueceu as ruas.
Estamos falando do saudoso José de Amorim. O amigo passou a dar prioridade em formar aquilo que ouvimos das suas próprias palavras: "criar um grupo político".

Aqueles que enchiam suas caminhadas acabaram se negando a estender a mão, para um simples cumprimento, nesse ano de 2018.
Faltou humildade pra entender que eleição não se ganha de 4 em 4 anos. Começa no dia seguinte da posse. 
O amigo tinha tudo pra ser até governador, mas esbarrou na crença de que "o povo tem memória curta". A gente fica triste, porque havia um potencial, pra ser tornar a maior liderança da Baixada, mas perdeu-se em articulações políticas.

Um dia Sandro Matos chegou num escritório de contabilidade de um amigo nosso. Veio naquele seu Gol, todo pintado com seu nome, como candidato a vereador e disse o seguinte: "Estou aqui para pedir o seu apoio, pois pretendo ser Governador do Estado. Isso assustou o meu amigo. 
Uma sujeito que nem vereador era dizendo que seria governador. De fato foi vereador e depois pulou degraus, para deputado federal e logo em seguida Prefeito por duas vezes em São João de Meriti. Meu amigo conta que aquela sua certeza na vitória o impressionou. Dali pra frente não mais duvidou que Sandro Matos pudesse alcançar tudo que desejasse, pelo sua convicção, naquilo em que se empenhava a fazer, mas acreditou tanto na sua força, que passou a imaginar que dependia apenas dela.

A extrema confiança semeou arrogância. Tivemos sim, como o amigo fala no vídeo, uma eleição atípica. Contudo, não foi a atipicidade que não o elegeu, nem ao caro candidato Marcelo Matos. O Maior inimigo nesta eleição ocupava o mesmo travesseiro, e partilhava o dia a dia. O amigo foi derrotado por si mesmo.

Pode ser que esses maus ventos passem, mas prezado amigo; a tempestade será sempre lembrada. Desejo-lhe sucesso e humildemente espero a vossa reflexão neste aprendizado”.